Transcomunicação Instrumental (TCI)

 

Este grupo se formou em 2006 e vem por todos estes anos pesquisando a fundo com foco no entendimento dos fenômenos da transcomunicação instrumental, sempre visando como objetivo o auxílio ao próximo, assim se distanciando das demonstrações sem utilidade. Muitas fases se passaram mas algumas bases continuam nos dias de hoje como auxílio, reforma intima necessária e muito estudo. Paciência e persistência são atributos imprescindíveis para os transcomunicadores. O grupo começou com trinta integrantes e hoje está com cinco integrantes encarnados e uma grande equipe espiritual, “Sala das Vozes”. Em breve os “telefones irão tocar”.

 

A possibilidade de comunicações com o mundo espiritual sem a interferência direta de um médium, foi considerada por diversos inventores no começo do século XX. Nos Estados Unidos, em 1920, Thomas Edison disse ao repórter B.F. Forbes que ele estava trabalhando em uma máquina que poderia fazer contato com espíritos de mortos. Jornais do mundo todo noticiaram a história. Depois de alguns anos Edison admitiu que ele inventou a história toda. (Thomas Edison National Historical Park).

 

A moderna fase da TCI iniciou-se com o crítico de arte sueco Friedrich Jürgenson (1903-1987) que, em seus momentos de lazer, em sua casa de campo em Molbno, tinha o hábito de gravar o canto dos pássaros da região. Em 1959, ao escutar uma dessas gravações, deparou-se com vozes humanas entre os cantos gravados. Estranhou o fato, uma vez que estivera absolutamente só ao realizar a gravação, no meio de um bosque. Ao ouvir com mais cuidado, notou que se tratava de vozes de pessoas e que podiam ser percebidas palavras em vários idiomas, o que descartava a hipótese de interferência de alguma emissora de rádio.

Aprofundando-se em novas gravações, assombrou-se ao perceber que as vozes o chamavam pelo nome, por apelidos e que podiam responder a perguntas feitas no local, o que também descartava a hipótese de captação de rádio-amador ou outro tipo de transmissão à distância. Indagando de quem seriam aquelas vozes, a resposta não tardou: “Somos os mortos…”.

 

Outra referência sobre a pesquisa em TCI é o trabalho do Dr. Konstantin Raudive (1909-1974) publicada sob o título “Unhörbares Wird Hörbar” (1968), publicada em língua inglesa em 1971 sob o título “Breakthrough”. Nela relaciona diversos nomes de estações emissoras do além, como a “Stúdio Kelpe”, “Rádio Peter”, “Kegele”, “Kostule”, “Ponte Goethe”, “Vários Transmissores”, “Rádio Sigtuma”, “Arvides”, “Irvines”, entre outras (RAUDIVE, 1971:178).

 

Se quiser saber mais sobre a história do TCI veja a pág 2.

 

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

× Posso te ajudar?